Pelé recepcionado por Siqueira Campos e Leomar Quintanilha em Gurupi 1995 – Arquivo FTF
A presidente Dilma Rousseff assiste à cerimônia de abertura dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas e saúda os participantes – Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Pelé recepcionado por Siqueira Campos e Leomar Quintanilha em Gurupi 1995 – Arquivo FTF
Jogadores do Palmas comemoram a conquista do título Tocantinense – Fotos: Elias Oliveira
Ana Patrícia e Rebeca são campeãs do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia – setembro de 2018- Foto: Reinaldo Cisterna

Tocantins 30 anos – Futebol – Do antigo Norte Goiano à profissionalização

Desde a criação do Estado do Tocantins, em 1988, o futebol tocantinense viveu duas fases importantes: a Era Amadora (1989-1992) e a profissional (1993 em diante). Antes da profissionalização em 1993, o futebol no Tocantins fazia parte do norte goiano e disputava um torneio amador chamado de Torneio Integração do Norte em razão das dificuldades que os times dessa região encontravam em disputar os campeonatos organizadas pela Federação Goiana de Futebol (FGF).

Mas em 1993, com o surgimento da Federação Tocantinense de Futebol (FTF), fundada no dia 8 de abril, foi realizado o primeiro Estadual de futebol profissional. No mês de abril de 1993 foi disputado o primeiro jogo oficial no Tocantins entre as equipes do Tocantinópolis 4 x 1 Miracema, no Estádio Lauro Assunção, em Tocantinópolis. Nessa partida, o primeiro gol da era profissional foi marcado pelo atleta Maurinho do TEC.

Clubes

No período de 1993 a 2018, a FTF tem em seus registros 35 equipes profissionais. Em Palmas, são 11 times: Palmas, Ricanato/Capital, União, Imagine, São José, Taquaruçu, Tubarão, Inove, Aureny III, Clube Atlético Tocantins e Acadêmicos da Unitins. Na Região Sul e Sudeste são seis: Interporto, Gurupi, Alvorada, Força Jovem (Lavandeira), Juventude (Dianópolis) e Ypiranga (Aliança). Na Região Central são oito: Intercap (Paraíso), Atlético Cerrado, Miracema, TEC de Miracema, Escola Paraíso, Miranorte, Rio Sono e Tocantins FC. Na Região Centro Norte são quatro: Colinas, Kaburé, Guaraí e Embuguaçuano Colméia. Na Região Norte/Bico são sete: TEC, Araguaína, Sparta, Nova Conquista (Santa Fé do Araguaia), União Araguainense, Clubes dos 30 (Araguaína) e Arsenal (Tocantinópolis). O primeiro clube campeão da era profissional foi o Tocantinópolis.

Capital

O interior dominava o futebol tocantinense até o surgimento em 1997 do Palmas Futebol e Regatas, o primeiro time profissional da Capital. No dia 12 de outubro de 2000, foi inaugurado o Estádio Nilton Santos, de lá para cá o Palmas começou a conquistar seus títulos num total de seis e se igualou ao Gurupi como os maiores vencedores do Tocantinense. Já a extinta Copa Tocantins, o maior vencedor foi o Kaburé com três conquistas.

Nacional

Palmas e Araguaína foram os clubes que fizeram história nas competições nacionais. Em 2004, o Palmas chegou na sétima colocação da Copa do Brasil caindo nas quartas de final para o 15 de Novembro (RS). Já no ano de 2010 quem marcou história foi o Araguaína Futebol e Regatas, quando terminou em 3º no Brasileiro Série D e subiu para a Série C, sendo o primeiro e único time ascender de divisão.

Talentos surgidos no Tocantins

Enumerar a quantidade de jogadores que nasceram no Tocantins nestes 30 anos que defenderam ou defendem grandes clubes do futebol nacional e fora do País não é possível dimensionar, porém, dá para afirmar que a terra é fértil. Vale destacar alguns nomes de tantos que já escreveram suas histórias por onde passaram: Lúcio (Alvorada), Tiba, Jardel, Tomaz Bastos, Sandro Hiroshi e Kariri (Araguaína), Roni (Aurora), Márcio Goiano (Miranorte), Luiz Paulo (Figueirópolis), Clayton Souza (Tocantínia), Renato Silva (Colinas), Ferdinando (Nova Olinda), Walison Maia (Natividade), Antônio Flávio (Brejinho de Nazaré), Leandro Pereira (Porto Nacional), Lucca (Palmas), Danilo Gomez (Buritirana) Diogo Campos (Aparecida do Rio Negro), Marlone (Augustinópolis), Gilberto Macena (Cachoeira do TO), Jarlan (Rio Sono), Péricles (Itaguatins), Elivan, Gustavo Tocantins, Tozin e Werick (Gurupi), Mailson (Almas), Luiz Fernando e Tety (Tocantinópolis), Ricardo Urubu (Nova Rosalândia), Antônio Flávio (Brejinho de Nazaré) e Haydn Lins (Arraias). No caso do atacante Lucca, hoje no Al Rayan, do Catar, apesar de não ter nascido no Tocantins, iniciou sua carreira no Palmas. Ele veio morar em Palmas com menos de dois anos. Esses jogadores citados vestiram camisa de grandes times do time futebol nacional como Vasco, Fluminense, Bragantino, Corinthians, São Paulo, Botafogo (RJ), Goiás, Cruzeiro, Atlético Mineiro, Vila Nova, Atlético Goianiense, Barcelona (ESP), Coreia do Sul, entre tantos outros clubes espalhados pelo mundo.

Se os mais experientes já conseguiram marcar seus nomes em vários clubes do Brasil e do exterior, nova safra já surgiu e vem dando fruto. É o caso do garoto Lucianinho, que em julho deste ano passou a ser jogador do Goiás Esporte Clube. Mas antes, o garoto já vinha sendo monitorado pela diretoria de base do Flamengo. Ele ainda teve seu nome cogitado até pelo Barcelona quando ainda o atacante Neymar, da Seleção e hoje do PSG, esteve por lá, já que a família havia enviado um vídeo do garoto ao craque que ficou encantando com o futebol do talento tocantinense. Hoje a FTF implantou a Seleção de Ouro Sub-14 visando colher frutos no futuro. [AGENCIA](Reinaldo de Jesus Cisterna)

Esporte ainda precisa de avanços

Ao longo destes 30 anos, o esporte tocantinense no gera conseguiu alguns avanços, conquistando títulos importantes no vôlei, futsal, judô, karatê, jiu-jítsu, kart, tênis de mesa, triatlhon, natação, entre tantas modalidades. Mas isso não é suficiente para afirmar que o esporte cresceu neste período.

Vale ressaltar que no ano de 2016, o então governador Marcelo Miranda extinguiu a Secretaria Estadual do Esporte transformando-a em uma superintendência e, com isso, diminuindo ainda mais o poder do esporte crescer no estado.

Hoje temos atletas que individualmente vêm conquistando medalhas e levando o nome do Tocantins Brasil afora. É o caso do piloto Felipe Fraga, campeão da Stock Car, em 2016. Tem ainda a jovem Giovanna Lacerda, campeã Mundial Escolar e que agora foi convocada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos da Juventude, na Argentina. Mas isso quase com esforço próprio, já que o poder público alega que por falta de dinheiro não tem como ajudar mais do que tem condições, como fornecer o transporte ou apoiar na questão de logística as variadas modalidades esportivas e os atletas.

Estrutura

A estrutura do Tocantins hoje no Esporte, segundo levantamento feito da Secretaria de Educação, Juventude e Esporte (Seduc), afirma que o estado possui 28 praças esportivas, sendo que seis delas estão em reforma, obras iniciadas em 2018, e mais cinco em processo de licitação, porém, não há previsão de construção de praça esportiva para este ano. Esta estrutura está distribuída desta forma: Araguaína conta com o Estádio Mirandão, Ginásio Eldorado, Ginásio Neblina, Ginásio JK, Ginásio Noroeste. Em outros municípios do estado podemos citar os ginásios de esportes de Nova Olinda, Xambioá, Araguatins, Almas, Dianópolis, Guaraí, Alvorada, Cariri do Tocantins, Gurupi (Estádio Resendão e Ginásio Idanizete de Paula). Tem ainda Palmeirópolis, Peixe, Miracema do Tocantins (Estádio Estadual Castanheirão e Ginásio de Esporte Irmã Beatriz); Tocantínia, Palmas (Escolinha Nilton Santos), Cristalândia, Paraíso do Tocantins, Pium, Itacajá, Pedro Afonso, Fátima e Porto Nacional.

 

Eventos nacionais

Grandes eventos nacionais e internacionais passaram pelo Tocantins neste período. Vale destacar que Palmas foi rota da passagem da Tocha Olímpica do Pan do Rio 2007. Em maio de 2014, com a presença do pentacampeão da Seleção Brasileira, em 2002, na Coreia do Sul e Japão, Belletti, foi a vez da Taça da Copa do Mundo da Fifa passar por aqui. E no dia 11 de junho de 2016, Palmas recebeu a Tocha Olímpica Rio-2016.

Em 2012, a Federação Tocantinense de Futsal (FTFS) trouxe a Seleção Brasileira de Futsal. Em 2015, Palmas sediou o 1º Jogos dos Povos Mundiais Indígenas. Palmas recebeu em 2017 o Ironman 70.3. No mês passado, o Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia e agora o Brasileiro de Maratonas Aquáticas. Em 1995, o então Ministro Extraordinário dos Esportes, Pelé, deu o pontapé inicial do Torneio Integração, disputado em Gurupi.

Cerimônia de abertura dos Jogos Mundiais dos Povos Indígenas  2015– Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Final do Circuito Brasileiro Open de Vôlei de Parai de Palmas – setembro 2018

 

Imagem relacionada

Seleção Brasileira de Futsal esteve em Palmas em 2012 – Foto: Cleuber Souza

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, campo de beisebol

Seleção Brasileira de Futsal esteve em Palmas em 2012 – Divulgação

 

 

(Fonte: Jornal do Tocantins.com.br/Reinaldo de Jesus Cisterna )

www.jornaldotocantins.com.br

 

www.aloesporte.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA